Política De Cookies Na LGPD — Por Que E Como Fazer?

Política De Cookies Na LGPD
4 minutos para ler

Está se perguntando se você deve ter uma política de cookies na LGPD? 

Os cookies são arquivos de texto que salvam, no dispositivo do usuário, informações coletadas durante a sua navegação pelo site, a fim de reconhecê-lo em uma sessão futura. Basicamente, eles servem para possibilitar uma navegação mais personalizada.

Se o seu site utiliza esse recurso, então, sim, você precisa construir esse documento e colocar um aviso de cookies na página. Saiba mais neste artigo!

O que a LGPD fala sobre cookies?

A LGPD tem como objetivo principal garantir a proteção de dados pessoais e a privacidade dos seus titulares. Nesse sentido, ela estabelece diversas diretrizes para o tratamento dessas informações, o que mudou a forma como as empresas devem lidar com elas. 

Uma vez que a função dos cookies é justamente coletar elementos de identificação dos usuários, estamos diante do componente que deu origem à legislação: os dados pessoais. Por esse motivo a política de cookies na LGPD é tão importante.

O que é um Política de Cookies na LGPD?

A política de cookies é um documento que ganhou ainda mais relevância e obrigatoriedade após a vigoração da LGPD em 2020. De modo bastante sucinto, ela deve conter, de forma didática e acessível, todas as informações referentes ao uso de cookies no seu site e que sejam do interesse do usuário. 

Como elaborar uma política de cookies

Para o correto tratamento de dados pessoais, a LGPD determina que a finalidade dessa coleta esteja sempre atrelada a uma das bases legais dispostas na Lei e que haja sempre transparência com os titulares e a adoção de medidas que evitem incidentes e vazamento de dados

Sendo assim, uma boa política de cookies de acordo com a LGPD deve conter essas informações: 

1. Quais são os cookies coletados

Apesar de todos os cookies funcionarem basicamente do mesmo jeito, eles podem ser classificados em grupos distintos a partir de 3 critérios:

  1. proprietário — quem é o criador dos cookies:
    • primário: são gerenciados pelo dono do site. Um exemplo são aqueles que medem métricas, como a quantidade de usuários na página;
    • de terceiros: não são gerenciados pelo dono do site, mas sim por outros proprietários de confiança.
  1. tempo de vida — por quanto tempo ele fica armazenado:
    • temporários: expiram assim que o usuário fecha o navegador;
    • permanentes: continuam no dispositivo até que o usuário exclua.
  1. finalidades — por qual motivo estão sendo guardados:
    • necessários: são essenciais para o bom funcionamento do site;
    • de desempenho: auxiliam na identificação de possíveis problemas nas páginas acessadas; 
    • de funcionalidade: melhoram a experiência do usuário, gravando suas preferências;
    • de publicidade: direcionam anúncios de acordo com os interesses demonstrados.

2. Para que eles serão usados

O usuário precisa ter clareza de como esses dados serão usados e tratados pela sua empresa ou por terceiros. Para isso, deve-se embasar nas bases legais da LGPD, que são as hipóteses de tratamento de dados pessoais que ela permite. 

3. Como o usuário pode fazer o gerenciamento desses dados

Por fim, a sua política de cookies conforme a LGPD deve dar ao titular a possibilidade de gerenciar os seus dados — quando possível — e indicar como ele pode fazer isso. Aqui, é fundamental apontar um canal de comunicação com a empresa caso ele tenha questões a serem resolvidas. 

Construir uma política de cookies na LGPD é só um dos passos para entrar em compliance com a lei. Mas existem muitas outras ações que também precisam ser realizadas.

Veja, neste artigo, o que mais fazer para se adequar à LGPD.

Você também pode gostar

Deixe um comentário